Pages

Slidershow

04 julho 2020

IMPACTOS DA DESINFORMAÇÃO NO COMBATE À PANDEMIA EM SÃO LUÍS

*Emerson Marinho

Imagem da Internet
A população ludovicense tem, nos últimos dias, relaxado as medidas de isolamento social e prevenção, como o uso de máscaras. Os números do achatamento da curva, na capital, dão a impressão de que o pior da crise já passou. Em tese, cremos estar chegando na realidade semelhante àquela que os europeus chegaram. Após o pico vem o momento do relaxamento das medidas e a reabertura das atividades.


Entretanto, a realidade brasileira se mostra bastante distinta. A falta de apoio incisivo do Governo Federal para o combate à pandemia, refletido principalmente na ausência de um Ministro da Saúde efetivo e duradouro, por vários meses, além do relaxamento das medidas restritivas em diversas cidades do país, trouxe o agravamento da crise e a volta às medidas de isolamento social. O número de contaminados e óbitos cresceu de forma assustadora.

Na contramão desses números, o achatamento da curva de contaminados e óbitos, registrados na capital maranhense, diminuiu. Esses dados têm contribuído para uma falsa sensação de fim da crise no Estado e a necessidade da pronta reabertura das atividades não essenciais. Junto a isso, a desinformação ou a falta de informações precisas, tem contribuído para que a população relaxe as medidas sanitárias exigidas pelo governo e órgãos de saúde. Notícias de novos medicamentos para o combate ao vírus, e outras relacionadas a vacinas desenvolvidas e próximas de serem produzidas em massa, levam a essa falta sensação de que o inimigo não é mais imbatível.

Entretanto, muitos municípios no Estado estão no início da crise e São Luís não está livre do vírus ou do risco do agravamento da crise. Com a redução da ocupação dos leitos de UTI, ou mesmo dos leitos clínicos na capital, muitos casos graves, oriundos do interior, vem ocupando essas vagas trazendo o vírus para a capital e o risco futuro de uma nova contaminação, se porventura houver o total controle do contágio.

Lembrando que o governo do Estado foi um dos primeiros do país a adotar medidas restritivas e outras medidas de combate ao vírus. Mesmo assim, a capital maranhense ocupou, no início, os primeiros lugares em números de óbitos, levando em conta a percentagem da população. No final de junho, o Ministério da Educação divulgou que o Maranhão tinha 4 cidades entre as de menor crescimento de novos casos da doença. As três primeiras posições eram ocupadas por cidades maranhenses, localizadas na grande ilha. São Luís ocupava a 2ª posição.

Analisando com um olhar crítico para toda essa realidade, levando em consideração os cenários global e municipal, entende-se existir muitas vitórias no Estado. No entanto, a guerra contra esse inimigo, ainda não totalmente conhecido, está longe do fim. É necessário cautela a cada novo passo por parte dos gestores e da população. É fundamental a análise criteriosa dos dados fornecidos pela ciência e suas recomendações, mas trazendo para as especificidades e realidades de cada região. Só assim, será possível a adoção de políticas que permitam o afrouxamento das medidas restritivas de forma gradual, sem prejuízos para as conquistas já alcançadas.

* Bacharel em Comunicação Social 

21 junho 2020

A COVID-19 ACABOU PARA OS BRASILEIROS?

*Emerson Marinho

Se aproxima dos quatro meses do primeiro caso do novo Corona vírus no Brasil. À medida em que os números crescem exponencialmente, aos poucos, a vida está voltando ao normal.
Fila para atendimento em banco.
FOTO: José Leomar

Os três primeiros meses do ano de 2020 foram de pânico em todo o mundo. O Brasil assistia estarrecido aos países da Ásia e Europa sucumbindo à uma doença desconhecida e extremamente fatal. Milhares de doentes se amontoavam nos hospitais sem equipamentos suficientes para mantê-los vivos. Covas abertas às centenas para enterrar tantos mortos diariamente. Os brasileiros, em sua grande maioria, temiam exageradamente, a pandemia já decretada. Se nos países ao norte do Paralelo do Equador, em sua maioria com economias estáveis e serviços de saúde de excelência, os efeitos da doença eram devastadores, o que seria dos países do Hemisfério Sul, inclusive do Brasil?

Ainda, com uma dezena de mortos diárias no Brasil, e temendo uma crise de saúde pública sem precedente, governadores decretam o isolamento social. A população, em sua grande maioria atende às ordens, ainda que, por medo.

Três meses depois, o número de mortos diário já chega à casa dos milhares, os contaminados já chegam a meio milhão. No entanto, diferente do que se esperava, a maioria dos brasileiros intensifica o relaxamento do isolamento se amontoando em festas, shoppings e outros espaços públicos e privados, já descartando o uso da máscara e das outras recomendações de segurança.
Mas o que aconteceu para se impor esta dicotomia tão gritante e quase inexplicável?

Utilizando uma analogia bastante alegórica, apresentamos uma resposta possível.

Joãozinho, um garoto de 9 anos, acaba de se mudar com seus pais para uma nova casa. A mudança aconteceu à noite (por razões irrelevantes para o enredo, mas fundamentais para a exposição). Seus pais anunciam que no quintal havia a casa da árvore que ele tanto sonhava. Entretanto, ao chegar à porta de acesso da área, algo o impediu de seguir em frente: estava tudo muito escuro, e a iluminação não funcionava. Apesar do imenso desejo por conhecer e explorar o objeto do maior desejo, ele não deu um passo, não sabia aonde estaria pisando, e nem o que encontraria pelo caminho. Os pais orientaram esperar o dia seguinte, tomariam todas as providências para evitar qualquer risco à sua segurança.
No dia seguinte, logo cedo, o menino levanta com a luz do sol. E antes que seus pais acordem, corre até a casa da árvore para explorá-la, deixando de lado as suas recomendações. Sentia-se, naquele espaço exclusivamente seu, livre para realizar um desejo a tanto incontido. Compensava se expor a qualquer risco.

A população brasileira é esse garotinho. Enquanto se andava às cegas, com a ciência tentando entender e explicar a doença, suas formas de transmissão, como e quais órgãos são atacados, qual a faixa etária em que a doença é mais grave e em qual é apenas uma “gripezinha”; os brasileiros se postavam diante dos aparelhos de Tv e na internet, estarrecidos e comovidos com as centenas de mortos diárias ocorridas na França, Itália, Espanha e por fim nos Estados Unidos. No Brasil, o pânico estabelecido crescia com algumas poucas dezenas de mortos diários.

Atualmente, três meses depois, o Brasil chega ao pico da doença com mais de 2 milhões de contaminados, quase 50 mil óbitos e mais de 1.000 vítimas fatais diárias. As UTIs estão no limite de sua capacidade, enterros são realizados de forma coletiva para atender a demanda, a falta de EPIs se agrava e medicamentos básicos para os internados nas UTIs já não são suficientes. Os casos deixam de ser apenas números e passavam a ter rostos conhecidos.

Na contramão desses fatos, as praias, os shoppings e outros espaços públicos e privados que concentram um grande número de pessoas, já estão lotados. Uso de máscaras e outras medidas de prevenção passam a ser opcionais, ainda que os governos Estaduais os determinem, por lei, como obrigatórios.

Semelhante ao Joãozinho de nossa analogia, o terreno foi explorado e agora se tem mais informações sobre o inimigo a ser encarado, o medo acabou. Ainda que não se tenha as armas para combater o bom combate, mesmo que se saiba ser uma guerra injusta, agora se tem informações, conhecimento desse inimigo, é como se não mais importasse ser vitimado por ela. O cenário se assemelha a uma guerra tradicional, os soldados são obrigados a se colocar na linha de frente, tendo a consciência que muitos deles provavelmente não voltarão para ver os seus entes e nem que sairão vitoriosos da disputa. No nosso caso, fora quem trabalha em serviços essenciais, temos a escolha de entrar, ou não, na guerra. Sabemos que não temos as armas para enfrentar esse inimigo implacável. Em troca de uma tal liberdade imediata, grande parte da população se expõe ao vírus, acreditando que isso valha à pena.

Nesse momento, a nossa luta não é pela liberdade, é pela vida. É por nossas vidas, é pela vida dos nossos entes queridos, é pela vida dos nossos amigos, vizinhos, conhecidos, dos nossos idosos, deficientes e com comorbidades. É pela vida dos profissionais de saúde, obrigados por um juramento, de proteger a toda e qualquer vida, mesmo que precise se afastar de sua família, ou se privar se sua liberdade, se expondo ao risco diário de se contaminar e se tornar mais um número estatístico. Todos nós temos direito à liberdade, mas esta, de nada vale, se não houver a vida em primeiro lugar.

* Bacharel em Comunicação Social 

05 junho 2020

DISTRIBUIÇÃO DE VACINA CONTRA O CORONAVÍRUS NO NORTE E NORDESTE DO BRASIL

*Emerson Marinho

O Brasil é reconhecido mundialmente por sua grande miscigenação, abrigando descendentes de povos de várias partes do mundo e de inúmeras etnias. De outro modo, também é reconhecido pela má distribuição de renda, sendo capaz de existir no mesmo território algumas das maiores fortunas do mundo, ao lado de bolsões de pobreza e miséria amontoados em favelas, palafitas ou ainda em  exércitos de desabrigados que disputam calçadas e pontes como abrigo.

O Norte e Nordeste do Brasil, mesmo já tendo, em alguns momentos da história recente, representantes na principal cadeira do Executivo Nacional, ainda amargam os piores números quando se trata do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) refletidos na péssima distribuição de renda, falta de serviço de saúde adequado, segurança, saneamento básico, moradia, etc.

O Coronavírus veio escancarar esse abismo social com as outras regiões do Brasil. São Paulo e Rio de Janeiro ainda surgem como as cidades que mais registram óbitos no país decorrente da pandemia de Covid-19, isso ocorre por terem grande concentração populacional. Estados como Amazonas e Ceará, são exemplos claros de Estados com baixa densidade demográfica, mas que ocupam as primeiras posições no número de óbitos, estes dois últimos representando o Norte e Nordeste do país, respectivamente.

Enquanto muitos países da Europa já discutem a produção de uma vacina e as estratégias para uma possível distribuição do medicamento, o Brasil ainda vive uma escalada no número de óbitos e contaminados, batendo recordes diários. No centésimo dia do primeiro caso registrado no país, enquanto outras nações já atingiam a curva na descendente nessa mesma marca, o Brasil chega a números crescentes ultrapassando a Itália ficando a cerca de 5000 mortes para ultrapassar o segundo colocado em número de óbitos absolutos, o Reino Unido, que até essa data se aproxima dos 40 mil mortos.

Fazendo pouco casos desses números, o Governo Federal Brasileiro se mostra inoperante na formatação de estratégias para combater o avanço da pandemia no país e principalmente no Norte e Nordeste aonde os números se mantém altíssimos. Na contramão de ações positivas para a redução das dificuldades das milhares de famílias que ficaram sem renda por terem perdido os mantenedores da renda familiar para a Covid-19 ou aqueles que engrossam as filas de desempregados que alcançam marcas históricas, o governo Federal anunciou a retira de R$ 83 milhões do Bolsa Família, programa assistencial que atende as famílias de baixa renda, e destinou à comunicação institucional do governo. Essa transferência ocorre em meio a acusações de que o Governo Federal teria dado menos atenção e recursos à Região Nordeste, realizando cortes de milhares de cadastros. Dos quase 160 mil benefícios que sofreram cortes em março, início da quarentena no país, 61,1% do total foram retirados justamente dessa região que responde por metade dos benefícios totais do país.

Em relação aos investimentos em pesquisa, o governo já vinha anunciando, em setembro de 2019, a redução dos recursos totais para o Ministério da Educação, em 2020, atingindo em cheio os financiamentos em pesquisa que tiveram cortes de até 50%. O Brasil que já desponta como um dos grandes polos mundiais de pesquisa, tendo pesquisadores reconhecidos internacionalmente, se vê desamparado no momento em que seus pesquisadores desenvolvem uma vacina contra o coronavírus Sars-Cov-2. O projeto é liderado por cientistas da Faculdade de Medicina da USP e pelo Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor). A pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Esses números revelam que a discussão sobre a distribuição da vacina está longe da pauta do dia nessas regiões. Os governos Estaduais e Municipais gastam os seus esforços, principalmente nesse momento, em distribuir os parcos recursos na manutenção de um sistema de saúde precarizado por falta de estrutura, equipamento e pessoal, porquanto a maioria dos médicos migram para as capitais e as cidades mais desenvolvidas. Os governos, dessas regiões, lutam para a preservação da vida, enquanto são obrigados pelos empresários, e até mesmo pelo governo Federal alinhado à preocupação econômica, a avaliar a abertura do comércio e à flexibilização das medidas de distanciamento social em meio aos números ainda crescentes de contaminados e óbitos no país.

*Bacharel em Comunicação Social

31 maio 2020

LOCKDOWN, UMA MEDIDA NECESSÁRIA PARA MINIMIZAR O CONTÁGIO

*Emerson Marinho
Dados do Boletim Diário da Secretaria do Governo do Maranhão de 30/05 

São Luís começa a apresentar os resultados de 14 dias do bloqueio total, decretado pelo governo do Estado atendendo à determinação judicial. Após 15 dias do fim do lockdown o número de óbitos e de novos casos começam a diminuir. Apesar de um pequeno alívio para o sistema de saúde que beirava o colapso com quase 100% dos leitos ocupados, os números ainda são preocupantes e revelam a necessidade do poder público e da população continuarem cumprindo as medidas de distanciamento determinadas pelos órgãos de saúde nacionais e internacionais, regras básicas de higiene, além do uso de máscaras e do álcool em gel.
Os últimos dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde, mostram que no último dia 30/05, 15 dias depois do término do lockdown decretado na Ilha, houve uma redução do número de óbitos na capital, sendo 3 vítimas fatais, mantendo a tendência de queda dos últimos 5 dias, ficando muito longe dos cerca de 30 óbitos registrados no pico. Ainda assim, o número de novos casos é grande, 287, mesmo apresentando queda e estando longe do recorde de 856 casos, registrados no Estado dia 08/05, quase todos concentrados na capital.

O dia 30 de abril marcaria, além da decretação do lockdown, 40 dias do primeiro caso registrado no Maranhão, ocorrido no dia 19 de março, quando o governador decretou imediatamente situação de calamidade pública, suspensão das aulas e o isolamento domiciliar de quem apresentasse sinais de síndrome gripal. No dia 30, São Luís registraria 1.075 contaminados pelo vírus, correspondendo à 0,097% da população, número que colocava a capital na 3ª posição no ranking nacional das cidades do país em relação à taxa de casos para cada 100 mil habitantes. Ficaria à frente também de cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus, além de outras, com mais casos da doença, mas com maior população. Um outro dado preocupante e alarmante divulgado no mesmo dia pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Maranhão registrava proporcionalmente a mesma velocidade de óbitos que os Estados Unidos.

O lockdown no Estado

Todos os números alarmantes, levaram à decretação imediata do chamado lockdown. Requerido pelo juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís e decretado pelo governador Flávio Dino, a medida surgi como medida extrema para conter a pandemia crescente na capital do Estado, refletida no iminente colapso do sistema de saúde da Ilha, formado pelos municípios da Raposa, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e São Luís. Se naquele momento mais de 90% dos leitos clínicos e de UTI da capital estavam ocupados, a taxa de mortalidade já havia chegado a 10,03 e o número de contaminados diários do Estado chegaria nos dias seguintes à casa dos 856 casos, sendo quase todos concentrados na Ilha. Após o lockdown um número chama a atenção, atualmente a taxa de mortalidade foi reduzida à 2,76 e mantendo a tendência de queda percebida a partir do quinto dia do início do lockdown, quando era de 9,66.


Abertura ensaiada pelo governo

Os números positivos divulgados pelo relatório diário da secretaria do Estado estão longe de mostrar o controle da doença no Maranhão. O início do relaxamento das medidas de distanciamento por parte da população é percebido pelas aglomerações nos centros comerciais. O governo também vem contribuindo com a abertura gradual de serviços não essenciais, no momento em que o número de leitos ocupados na Ilha ainda se mantém em mais de 95% (de UTI), ainda que os clínicos já estejam com apenas 40% de ocupação. Essa ação do governo passa à população a falsa impressão de controle da doença na cidade aumentando as aglomerações e o risco do retorno da crise na saúde.

Número crescente do interior do Estado

Se de um lado os números revelam-se positivo na capital, a crise no interior do Estado está apenas no início. Os números de óbitos no Maranhão ainda se mantêm na casa dos 30 diários, entretanto as vítimas passaram a se concentrar agora no interior do Estado. Cidades como Imperatriz, segunda cidade mais populosa do Estado, já registra mais casos de óbitos que a capital, tendo 5 vezes menos leitos de UTI (já ocupados em quase 95%) e quase 10 vezes menos leitos clínicos (100% ocupados). Enquanto São Luís registrou 287 novos casos de contaminados no dia 30/05, Imperatriz registrou 77 e os demais municípios registraram 1655 novos casos.
Esses números apontam para dois graves problemas: os municípios do interior do Estado já não apresentavam, antes da crise, a mínima estrutura de saúde para garantir a internação de pacientes com outras comorbidades, com a Covid-19 e a necessidade de internação de pacientes graves ao mesmo tempo, estará escancarado a escassez de investimentos na área da saúde e o descaso dos últimos governos com a saúde pública no Maranhão. Ainda que o atual governo tenha criado hospitais de campanha em regiões estratégicas para contornar o problema, o número de leitos ainda está aquém do necessário para atender a quem precisa. Os números divulgados pela Secretaria do Estado mostram que mais de 80% dos leitos de UTI e clínicos estão ocupados, isso corresponde a apenas 16 e 49 leitos vagos, respectivamente.
Do outro lado, alguns casos serão enviados para a capital, processo já iniciado no início da semana (20/05) por meio de unidades aéreas, o que poderia reabrir o processo de contaminação na capital, que começa a achatar a curva de morbidade.

De todo o exposto, uma pergunta fica no ar: Seria o momento do governo do Estado, em decorrência da grave crise que se avizinha no interior, considerar a decretação do lockdown nos outros municípios imediatamente?

*Bacharel em Comunicação Social

06 maio 2020

DESPREPARO DOS GOVERNOS FRENTE AO COMBATE A PANDEMIAS

*Emerson Marinho

O Covid-19 escancara a insipiência dos governos mundiais frente as políticas de enfrentamento às pandemias.

Mais que qualquer outra pandemia dos últimos 100 anos, o Covid-19, vem escancarar como instituições e governos ainda engatinham na questão de prevenção de novas doenças ou mesmo diante da organização de políticas públicas de enfrentamento a crises no sistema de saúde.

Durante décadas, o mundo inteiro depositava sua confiança nos países desenvolvidos, por conta dos propalados altos investimentos na área da ciência e na alta tecnologia desenvolvida por eles. Tudo isso resultaria em socorro imediato em situações como essa pela qual o mundo está atravessando, criando vacinas que salvariam milhares de vidas, quase instantaneamente.

Tal lá como cá, nos países em desenvolvimento, há um ponto cego, no que se refere ao enfrentamento de pandemias. O Covid-19 veio revelar o descaso dos governos com a ciência, ao transferir grande parte dos investimentos em pesquisas para áreas ligadas à segurança contra possíveis inimigos estrangeiros e até certo ponto, inexistentes. Os exércitos recebem investimentos cada vez mais robustos para manter a soberania nacional, enquanto os inimigos invisíveis, cada vez mais reais e mortais, tem sua investigação e combate negligenciados.

Nas últimas duas décadas, várias pandemias veem anunciando o que estava por vir. Casos como do Ebola, Gripe Aviária e Suína, já mostravam a necessidade da antecipação dos governos para o combate de pandemias, cada vez mais fatais por falta de controle e conhecimento de sua linhagem. Por sorte, talvez, não conseguiram causar o estrago causado pelo Covid-19, pois se limitaram a determinadas regiões, ou por não terem a facilidade de contágio de pessoa para pessoa como apresenta a da atual pandemia.

É premente, a necessidade de mudar a visão dos governos mundiais, nacionais e regionais para cuidar da saúde das pessoas, tanto em nível global, como em níveis particulares, porquanto, como na cadeia alimentar, ao se romper um elo o todo fica comprometido.

O mundo deve estar preparado para o pior, não que ele necessariamente venha, mas para que em situações eventuais, estejamos minimamente prevenidos para se evitar de se alastrar pelo mundo com tanta rapidez, ou para se tomar iniciativas para o isolamento dos casos até a criação e produção de vacinas e medicamentos que reduzam os efeitos catastróficos sobre grande parcela da humanidade.

Outro fator que se mostrou falho foi a disponibilidade de equipamentos básicos como os propalados EPIs, equipamentos de suporte à vida (ventiladores pulmonares), ou mesmo medicamentos básicos nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) como Propofol e Midazolam, jamais poderiam estar em falta. Essa realidade não foi exclusiva de Cidades, Estados ou Países subdesenvolvidos, mas também das grandes potências mundiais que pagam pela sua negligencia de se preparar para o imprevisível.

É inconcebível, ter como únicas recomendações para o combate à pandemia, uso de máscaras, o distanciamento social, ou até mesmo o Lockdown como alternativa extrema. Os governos precisam entender, que para além de buscar outros planetas habitáveis, ou mesmo vida inteligente fora da Terra, demandando investimento de bilhões, até mesmo trilhões de dólares, precisamos investir no que realmente valha a pena, nós mesmos. Esses investimentos devem ser aplicados primordialmente em pessoas, na manutenção da vida e preservação do nosso planeta.

*Bacharel em Comunicação